JODY LOT CAMPEÃO DO MUNDO DE PESCA SUBMARINA PELA SEGUNDA VEZ E TERESA DUARTE VENCE A 1ª TAÇA DO MUNDO DE PESCA SUBMARINA FEMININA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

alt

JODY LOT CAMPEÃO DO MUNDO DE PESCA SUBMARINA PELA SEGUNDA VEZ E TERESA DUARTE VENCE A 1ª TAÇA DO MUNDO DE PESCA SUBMARINA FEMININA

A Federação Portuguesa de Atividades Subaquáticas (FPAS), sob a alçada da Confederação Mundial das Atividades Subaquáticas (CMAS) e em parceria com a Câmara Municipal de Vila do Bispo, organizou de 6 a 10 de Setembro a 31ª edição do Campeonato do Mundo de Pesca Submarina e a 1ª Taça do Mundo de Pesca Submarina Feminina, na vila de Sagres e representam um marco importante para Portugal na área das actividades subaquáticas e a organização deste evento desportivo acentuou uma preocupação com o ambiente, uma vez que foram oferecidas garrafas reutilizáveis a todas as comitivas participantes e não foram utilizadas garrafas de plástico.

O evento arrancou com a recepção aos participantes, no dia 6, seguindo-se, na sexta-feira, dia 7, as habituais reuniões técnicas de capitães e de comissários. No início da tarde teve lugar uma simbólica acção de libertação de espécies marinhas no oceano, na Ilha do Martinhal, cerca de 2.000 Sargos Comuns, 1.500 Corvinas, 300 Sargos Veado e 4 Meros. Esta iniciativa orquestrada pela FPAS, em parceria com o IPMA e a Marinha Portuguesa, teve como intuito promover o equilíbrio ecológico e realçar a preocupação ambiental dos praticantes de pesca submarina.

Seguiu-se a Cerimónia de Abertura do Campeonato, no final da tarde, com o desfile pelas ruas de Sagres e respectiva apresentação dos 88 Atletas, distribuídos por 30 Selecções participantes.

Estas iniciativas contaram com a presença da Ministra do Mar, Ana Paulo Vitorino, do Secretário de Estado Adjunto e do Ambiente, José Mendes, com o Secretário de Estado das Pescas, José Apolinário, com o Presidente da Câmara Municipal de Vila do Bispo, Adelino Soares, e a Presidente da Confederação Mundial de Atividades Subaquáticas, Anna Arzhanova.

O Mundial teve lugar nos dias 8 e 9 de Setembro e participaram 72 atletas em representação de 23 países – Portugal, Grécia, Espanha, Croácia, Itália, Bulgária, Turquia, Ucrânia, Finlândia, Chipre, Rússia, Eslovénia, Tunísia, África do Sul, Brasil, Chile, Estados Unidos da América, Argentina, Equador, Nova Zelândia, Taiti, Dinamarca e San Marino.

A Taça do Mundo, no dia 8 de Setembro, contou com 16 atletas femininas em representação de 7 países - Portugal, Grécia, Espanha, Croácia, Chile, Estados Unidos da América e Equador.

Ambas as competições contaram com excelentes condições de mar e únicas em Sagres para a prática da modalidade, foram disputadas com o apoio de embarcação, que totalizaram cerca de 90 embarcações de atletas e organização, reuniram um total de cerca de 400 pessoas, entre atletas, comitivas dos 23 países, comissários e organização.

Nestas provas, a equipa portuguesa foi orientada por Rui Torres que teve na sua lista de convocados os atletas Jody Lot, André Domingues, Pedro Domingues, Matthias Sandeck, João Peixeiro e Miguel Santos e as atletas Teresa Duarte e Catarina Santos.

No feminino, a primeira prova do género, decorreu na zona de prova mais a Norte do Cabo de São Vicente, foi muito bem disputada durante as 5 horas, com todas as atletas a realizarem capturas e o maior exemplar foi um Bodião, com 1,152kg, capturado pela atleta portuguesa Teresa Duarte.

Ao pódio, além da vencedora Teresa Duarte, subiram também as atletas norte americanas Rosibel Perurena, no segundo lugar, e Kelsey Albert, no terceiro. Em equipas, a Selecção Nacional dos Estados Unidos da América levou a taça para casa, seguida de perto por Portugal e Espanha, respectivamente.

O Mundial realizou-se em duas jornadas, com a duração de 5 horas cada, no sábado na zona a Norte do Cabo de São Vicente e no domingo entre o Porto da Baleeira e a Sul da Pedra do Gigante, com os atletas a distribuírem-se bem pelas zonas e a apresentarem uma boa diversidade de espécies, nomeadamente pargos, robalos, douradas, sargos, abróteas, rascassos, salmonetes, tainhas, salemas, safios moreias e pampos. O maior exemplar foi um Pargo Mulato, com 6,630 kg, capturado pelo atleta da Turquia Firat Yagci.

No final, os dois primeiros lugares do pódio foram ocupados pelos portugueses Jody Lot que sagrou-se Campeão do Mundo pela segunda vez, seguido por André Domingues que arrecadou a medalha de prata, em luta renhida até ao final com o espanhol Xavier Blanco que acabou no terceiro lugar do pódio.

Na classificação colectiva, Espanha conseguiu a melhor pontuação no somatório dos dois dias de competição dos seus atletas, com Portugal a conquistar, mais uma vez, o segundo lugar e a selecção Chilena o terceiro.

Este evento teve como objectivo promover a prática da pesca submarina, desconstruindo alguns mitos relacionados com este desporto como a contribuição para a extinção das espécies. Nesse sentido, importa referir que só são permitidas capturas das espécies com valor desportivo, identificadas no regulamento particular da prova, com limites mínimos de peso e quotas por espécie.

Todas as capturas foram medidas, pesadas e registadas por um grupo de investigação da Universidade do Algarve e no final de cada jornada as capturas realizadas foram oferecidas ao Banco Alimentar Contra a Fome e à Santa Casa da Misericórdia de Vila do Bispo e ainda alguns dos maiores exemplares foram sorteados pelo público presente no evento.

De recordar que o último mundial organizado em Portugal aconteceu em Sines, em 2006, no qual Portugal foi Campeão Mundial por Equipas. Já em 2011, em Peniche, sagrou-se Campeão Individual na prova Euroafricana e, no ano seguinte, Campeão Mundial Individual 2012, em Vigo, pelo mesmo atleta algarvio Jody Lot..

A FPAS agradece a colaboração de TODOS (voluntários, empresas e instituições) quantos se mobilizaram para colaborar directa ou indirectamente na organização e tornaram este evento desportivo uma realidade.

Sob a alçada do IPDJ, a FPAS converge em si diversos desportos e atividades subaquáticas, muitas delas desconhecidas do público geral. Fotografia Subaquática, Natação com Barbatanas, Apneia, Hóquei, Rugby e Tiro subaquáticos, são apenas algumas das modalidades promovidas pela FPAS, que está dividida em três vias de prática desportiva – competição, desporto para pessoas com deficiência e desporto de participação.

alt

alt

alt

alt

alt

alt

alt